Passarinheiro

Renato Braz

fotos
Traduzir letra para:
  • tradução
Passarinheiro Renato Braz
Arranquei essa tirana
Do bojo do violão
A sorte é uma cigana
Que escreveu na minha mão

No meio dos seus rabiscos
Só duas coisas eu entendo
Correr mundo, correr risco
E o resto é seguir vivendo

Meu coração é um alazão passarinheiro
Sem freio, nem ferradura
Riscando o casco no vento

Só por paixão ele galopa assim ligeiro
Pois empaca que nem mula
Diante do sofrimento

Risquei fogo e fiz fandango
Bem no meio do terreiro
Meu senhor dono da casa
Não me vendo por dinheiro
Mas barganho pelo encanto
Do calor e da amizade
Em troca lhe dou meu canto
Pra alegrar sua saudade

Encontrei uma espanhola
Que dançava na fogueira
Tinha boca cor-de-amora
E um olhar de feiticeira
Fui me embolar com ela
Num barranco beira-rio
E os peixes batiam palmas
De tanto amor que se viu
E os peixes batiam palmas
De tanto amor que se viu



Denunciar conteúdo inapropriado
abrir vídeo no player adicionar no player
  • músicas
Publicidade
Publicidade
00:00 / 00:00